Uepa participa da Semana Estadual de CT & I e Desenvolvimento

 

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) participa da I Semana Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento. Nesta terça-feira, dia 25 de junho, a partir das 8h30, no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT-Guamá) serão apresentados quatro projetos, por meio do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia (NITT). À tarde, a programação conta com um debate sobre o Projeto Telessaúde. O evento é realizado pelo Governo do Estado do Pará e Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), tendo como objetivo promover, incentivar e divulgar atividades de ciência, tecnologia e inovação, incluindo os avanços no estado do Pará. As atividades da Semana seguem até o dia 27 de junho.

 

Os projetos participarão da Vitrine Tecnológica. O primeiro deles foi desenvolvido pelo professor de Terapia Ocupacional, Jorge Lopes, e consiste em uma prótese funcional mecânica para substituir uma das mãos. O projeto teve duração de cinco anos, pois teve fases de experimentação e ajustes. O segundo projeto é o de órtese funcional mecânica para pacientes tetraplégicos. O aparelho externo auxilia a movimentação de um indivíduo, que apresenta os níveis C6 e C7 de lesão medular.

Basicamente ambos os níveis conseguem obter uma independência quase que completa com auxílio de aparelhos, como conduzir veículos adaptados. No entanto, há algumas dificuldades e diferenças entre os níveis. No C6, a paralisia é típica nas mãos, troncos e pernas. Já os amputados no nível C7 conseguem controlar a extensão dos cotovelos e algumas extensões dos dedos e a maior parte das pessoas consegue esticar os braços e mexer os ombros. 

O interesse do professor em realizar os projetos surgiu da necessidade real de pacientes atendidos por ele na própria Uepa. Esses atendimentos são feitos às segundas e quartas-feiras na Unidade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Ueafto). Um dos pacientes, Ayrton José conta que a prótese mudou a sua vida, tanto na estética quanto nas atividades do dia a dia. “A prótese não tem os mesmos movimentos de uma mão normal o que dificulta um pouco, no entanto, a equipe do professor Jorge faz um trabalho de adaptação excelente, o que me ajudou, pois eles me passaram um conforto e segurança”, afirmou.

Além dos projetos do professor, outra tecnologia a ser apresentada na Vitrine é a desenvolvida pela egressa Amanda Moreira. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), realizado em 2017, resultou no projeto Redesign de Encaixe Externo de Prótese de Membros Inferiores. A pesquisa foi orientada pelo professor Antônio Erlindo Braga Jr e co-orientada pela coordenadora do Curso de Design, Rosângela Gouvêa Pinto. O principal incentivo foi o estudo em Design Social e Inclusivo. A ex-aluna sempre pesquisou sobre o assunto e teve exemplos na própria Universidade. Foi pensando no papel importante do Design na sociedade e nas pessoas que passam pelo processo de amputação que ela decidiu realizar a pesquisa e o produto.

Amanda conta que “o procedimento cirúrgico é visto como algo destrutivo e traumático pelas pessoas, fazendo com que a prótese seja vista pela sociedade como um acontecimento ruim, assim despertando emoções tristes”. Justamente por isso, Amanda destaca a importância da estética na prótese, pois é um produto para melhorar a qualidade de vida de um amputado, garantir mais independência e liberdade de criar próteses que tenham a identidade do usuário, despertar emoções positivas e fazer com que a recuperação seja menos traumática e ajude a autoestima, principalmente, de mulheres amputadas. A designer pretende que a prótese seja comercializada, e quer continuar os estudos em um futuro mestrado para desenvolver os outros componentes do produto e seguir a mesma linha de estudo.

A I Semana Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento também contará com a invenção das tecnólogas de Alimentos, Fernanda Rafaele Santos Sousa e Laiane Cristina Freire Miranda, que desenvolveram o projeto Utilização da Mandioca como Agente Espessante na Elaboração de Barra de Cereal. O produto tem como intuito a diminuição da glucose, um açúcar utilizado na indústria de alimentos que aumenta o poder calorífico da barra de cereal. A mandioca, um alimento barato, pode ter a mesma função, mas sem ter um nível calórico tão elevado na quantidade de açúcar. O objetivo da pesquisa, orientada pela professora Alessandra Eluan da Silva, é aumentar a utilização da mandioca, pois é um alimento regional e com potencial para ser utilizado nas indústrias de barra de cereal. “Não tivemos dificuldades para a elaboração da barra, no entanto, na aquisição da glucosa foi mais complicado, por ser um produto mais caro”, contou Fernanda.

A programação do segundo dia da Semana encerra com o debate Telessaúde - Discussão sobre a Política Pública, às 14h30. A mesa será composta por integrantes da Uepa, da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e da Escola Técnica do Sus (Etsus), que irão explicar o uso da tecnologia no Estado do Pará. Também terá apresentação do Teleducação e do Telediagnóstico. O Telessaúde é uma ação nacional que busca melhorar a qualidade do atendimento e da atenção básica no Sistema Único de Saúde (SUS), por meio de integração de ensino e serviço com ferramentas de tecnologia da informação.

Serviço:

I Semana Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento

Data: 25 e 26 de junho, no PCT Guamá; e 27 de junho, no Sebrae Pará

Hora: a partir das 8h

 

Texto: Viviane Nogueira
Foto: Nailana Thiely