Uepa entrega sistemas sanitários familiares à comunidade de Castanhal

 

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) entregou dois sistemas de tratamento de esgoto na comunidade Barreirão, no município de Castanhal. O projeto, desenvolvido no curso de Engenharia Ambiental,  foi selecionado pelo Edital de Patrocínios 2018 do Banco da Amazônia. As estações alternativas, compostas por tanque séptico, filtro anaeróbio e sumidouro, reduzem em 80% a contaminação por matéria orgânica no solo e nos lençóis freáticos.

O Projeto “Tratamento de Esgoto e Proteção dos Recursos Hídricos”, coordenado pela professora Aline Sardinha, teve a parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), de professores, técnicos e bolsistas da Uepa.  “O objetivo foi construir sistemas de tratamento de esgoto simplificado, para possibilitar banheiro para as famílias. As etapas do projeto incluíram desde a escolha das residências atendidas, um trabalho de educação ambiental na comunidade, além do dimensionamento e execução da obra com pedreiros locais”, explicou Aline.

De acordo com o presidente da Associação dos Micro Produtores do Barreirão (Amiproba), Benedito Silva da Cunha, o projeto veio melhorar a vida das pessoas. “Foi importante, as  residências que ainda estavam com o banheiro inacabado. Eles visitaram os moradores, conversaram, foi bom”, afirmou.

O projeto foi uma oportunidade de estudos práticos em meio ambiente, a fim de difundir soluções sustentáveis de saneamento básico. O modelo dos sistemas considerava a quantidade de moradores nas casas para dimensionar o tamanho adequado.

 

O tanque séptico pode receber os dejetos de uma ou várias edificações, desde que sua capacidade seja compatível com a quantidade de pessoas que utilizam. O filtro anaeróbio é o tratamento em que a água  passa por pedras que oxidam os poluentes do esgoto com uma maior ação bacteriana.

 

Por fim os fluidos vão para o sumidouro que despeja o conteúdo no solo, reduzindo a contaminação e incidência de doenças, além de proteger o aquífero freático.

 

Texto: Dayane Baía

Fotos: Arquivo do Projeto