Camillo Vianna é titulado doutor honoris causa pela Uepa

 

Uma noite memorável marcou a celebração dos 25 anos de criação da Universidade do Estado do Pará (Uepa). A solenidade realizada nessa terça-feira, 29, no Teatro do Sesi em Belém, teve apresentações artísticas e musicais, homenagens a servidores e o título de doutor honoris causa concedido ao médico Camillo Vianna pelas contribuições em defesa da floresta e do povo amazônicos.

A outorga de doutor honoris causa é concedida por universidades a pessoas que se destaquem em áreas pela boa reputação, virtude ou mérito. O título equivale ao mesmo tratamento e privilégios dados ao doutorado acadêmico, sendo atribuído a personalidades que exerçam grande influência para resolver problemas humanitários, por exemplo.

Nascido em Belém, em 14 de abril de 1926, o menino Camillo viveu boa parte do tempo em uma fazenda da Ilha do Marajó, fato que influenciou sua vida na atividade ecológica, sempre comprometido com a natureza e com o bem comum. Ele integrou a primeira turma da Faculdade de Medicina e Cirurgia do Estado do Pará, que junto a outras três instituições, originou a Uepa. Ainda estudante, Camillo trabalhou no Museu Paraense Emílio Goeldi catalogando espécies vegetais.

Após se formar, em 1952, foi médico residente no Hospital dos Servidores do Estado no Rio de Janeiro e no retorno a Belém, começou a atuar na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. O atendimento à população carente do interior do estado e da periferia de Belém o levou a investigar a relação entre os problemas de saúde, carências alimentares e a degradação do meio ambiente. Camillo também foi coordenador do Projeto Rondon para a Amazônia Oriental entre outros feitos.

A história foi contada pela professora Noemi Vianna, sobrinha de Camillo. “Para ele, sem conhecer os problemas da Amazônia, é impossível defendê-la. Mais do que trabalhos científicos, a relevância de sua vida pode ser notada pelo número significativo de alunos e seguidores, principalmente no tocante ao olhar diferenciado ao homem do campo. Ele ajudou a formar várias gerações de médicos com sentimento humanitário”, afirmou orgulhosa.   

O também pesquisador, que hoje tem 96 anos e a saúde comprometida, foi representado na cerimônia pelo filho, o engenheiro agrônomo Flávio Vianna. “Infelizmente ele não pôde estar aqui para agradecer pessoalmente daquele jeito simples, divertido, às vezes, com gestos expressivos e palavras profundas. Tenho certeza que isso causaria um orgulho enorme a ele”, lamentou muito emocionado ao receber o colar doutoral. Flávio parabenizou o aniversário e relacionou a trajetória de interiorização da Uepa com a atuação do pai. “Ele fazia questão de nos levar para o interior para que víssemos a realidade e quanto era importante tratar bem as pessoas”, frisou.

Jubileu de Prata - A cerimônia lembrou fatos marcantes e a trajetória de crescimento da instituição, que contribui diariamente com o desenvolvimento do estado. O público presente pôde conferir recortes desse percurso com a exibição do vídeo institucional. Um dos depoimentos destacados foi do primeiro reitor, Manoel Moutinho, que também estava presente na solenidade. Ele lembrou os anos iniciais de implantação da Universidade. “Posso assegurar que a trajetória de dificuldades se iniciou desde a sua mais tenra idade, portanto nascendo com a missão de ser forte nas adversidades e ser grande como o próprio Estado do Pará”, declarou o professor emérito.

O reitor Rubens Cardoso reforçou que muitas dessas inflexões são superadas pelas pessoas que fazem parte da história da Uepa. “Nós celebramos essa trajetória porque somos a missão diária de outras tantas pessoas, no processo de educação. Não é fácil interiorizar-se e formar profissionais éticos, com responsabilidade social e comprometidos com o desenvolvimento sustentável. Precisamos partilhar com cada um dos paraenses a construção da nossa Universidade e inovar continuamente”, declarou.

O Jubileu de Prata iniciou em janeiro com a realização do Concurso da Marca dos 25 Anos, entre a comunidade de alunos, técnicos e docentes da Universidade. Na noite de ontem, o servidor Flávio Pires, do Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT) recebeu o prêmio da marca vencedora. As comemorações devem prosseguir até o final do ano com atividades científicas e de extensão à comunidade nos 16 municípios em que a Uepa está instalada.

Homenagens – A Uepa foi homenageada pelo Instituto Confúcio (IC) com uma canção em mandarim e uma demonstração de tai chi chuan, atividades que são praticadas no IC. O diretor chinês, Pang Hui, leu a carta enviada pelo reitor da Universidade Normal de Shandong, Tang Bo. “A Uepa comemora 25 anos de existência e acredito que ela chegará ao topo do seu desenvolvimento. Desejo sinceramente que o futuro seja maravilhoso, ao mesmo tempo que fazemos muito pela cooperação e amizade profunda entre as duas universidades”, dizia a missiva.

O evento teve ainda a homenagem aos 375 servidores que integram a Uepa há mais de 25 anos. Eles receberam portaria de elogio publicada no Diário Oficial do Estado do Pará em reconhecimento aos trabalhos dedicados em toda a história da instituição. Por sorteio, sete colegas na cerimônia que foram chamados ao palco para representar o grupo. Entre eles estava o docente Fernando Pereira de Jesus que atua no Campus III – Educação Física. “Estudei na Faculdade Estadual de Educação do Pará, na época, fui monitor de judô e quando me formei já comecei a atuar como professor. Fiquei surpreso pois assim como eu tem muitos outros servidores, mas fiquei feliz por ter sido agraciado e procuro sempre dar uma parcela de contribuição”, afirmou.

O vice-reitor Clay Chagas agradeceu o comprometimento dos servidores e alunos. “Somos uma universidade jovem que já trilha um conjunto de ações e de sucesso. E apesar de ser uma personalidade jurídica, só consegue se materializar enquanto ação de ensino, pesquisa e extensão, graças a cada um dos presentes e os que não puderam estar aqui”, gratulou.

O evento teve a participação musical do Quarteto de Cordas do Núcleo de Arte e Cultura e da Banda da Uepa, que encerrou a cerimônia ao som de músicas paraenses, nacionais e internacionais. A organização conduzida pela Diretoria de Eventos e Cerimonial teve o apoio de estudantes da inPhocus, Empresa Júnior do curso de Secretariado Executivo Trilíngue.

Para conferir as fotos do evento, acesse o álbum no Flickr

Texto: Dayane Baía

Fotos: Marcello Sarmento e Nailana Thiely